Adoção de Animais

Adoção de Animais

Adoção de Animais

Adotar um animal

Para adotar um animal, você pode procurar o Centro de Controle de Zoonoses da sua cidade, ou uma organização de proteção animal ou protetora independente. Existem feiras de adoção, onde pode ir diretamente, ou buscar pela internet os sites de adoção de animais.

Se estiver em São Paulo, você pode ir diretamente ao Centro de Adoção do Natureza em Forma , situado no centro à rua General Jardim 234, próximo à Praça Roosevelt – tel. 11 3151.2536. Fica aberto de 3ª a domingo, inclusive feriados, das 10 às 20 horas.

http://www.centrodeadocao.org.br/

 

Ao escolher adotar um animal, e não comprar (a venda é uma forma de exploração), você estará contribuindo para diminuir a superpopulação e consequentemente os maus-tratos. Estará também apoiando o trabalho dos protetores, que resgatam e cuidam. E como esse trabalho é feito por amor e não por interesse financeiro, certamente esse animal estará mais socializado e em melhores condições de vida.

 

Dicas e cuidados

Dicas e cuidados – Projeto Batalha Animal – São Paulo

A doação de cães,gatos e outros animaizinhos exige certos cuidados.
Mesmo conhecendo o candidato à adoção, ou este sendo indicado de algum amigo ou parente, procure conhecer pessoalmente a pessoa e o local para onde o animal vai. Fique atento para que o bichinho não seja levado para qualquer lugar ou seja repassado para terceiros.
Doações pela Internet também têm ajudado muitas pessoas e animais, porém alguns cuidados devem ser tomados.
Algumas ONGs de proteção animal costumam pedir para o adotante: xerox de RG, CPF e comprovante de residência, além assinatura de termos de compromisso de posse responsável, onde a pessoa se prontifica a devolver o animal em caso de maus tratos ou inadaptação do mesmo.
Caso você não queira fazer estes procedimentos, pelo menos peça telefone, endereço e visite o local antes de levar o animal. Você tem o direito e o dever de saber onde e em que condições o animal vai viver.
Não permita que o adotante vá buscar o animal. Caso a pessoa não queira fornecer o endereço, não doe.
Fique atento para que o animalzinho não caia nas mãos de pessoas:
a) Desequilibradas que agridem ou matam os animais porque estes fizeram suas necessidades em local errado, ou roeram/arranharam um objeto
b) Psicopatas que adotam cães e gatos para matar por prazer
c) Pervertidos que adotam cães e gatos para estuprá-los
d) Que adotam animais para serem sacrificados em rituais religiosos
e) Que adotam animais para alimentarem cobras de estimação
f) Pessoas que já têm vários animais, compram/ adotam vários animais por impulso e sempre querem mais um.Passado um tempo desfazem-se dos bichos
g)Criadores inescrupulosos que adotam animais não castradospara confinarem os mesmos em canis ou gatis pequenos e sujos, tirando cria indiscriminadamente, para descartá-los aos 6/7 anos quando não poderão mais procriar. Alguns até criam os animais em gaiolas.Desconfie de quem tem muitos animais e quer fêmea de raça, porém os machos também são usados para procriação, podendo ser descartados depois de um tempo.Nem sempre essas pessoas possuem canil, às vezes são criadores de fundo de quintal que têm a ilusão de ganhar dinheiro com criação de animais.
Castre o animal antes de doá-lo para evitar que ele seja explorado comercialmente por estas pessoas que visam apenas tirar crias para vender. Com isso você também estará contribuindo para o controle de natalidade animal, evitando nascimento descontrolado, abandono e morte de cães e gatos.
h)Pessoas que querem o animal apenas para guarda. Geralmente, animais adotados para este fim não terão carinho nem passeios, terão uma vida de isolamento e quando envelhecerem/ adoecerem poderão ser abandonados por não servirem mais para guarda.
Se você decidir doar assim mesmo, visite o local antes para ver se vão deixar o cão em um lugar adequado, com segurança, bom espaço, abrigo para chuva e sol, e não acorrentado ou confinado em pequenos canis de fábricas, estacionamentos, empresas, postos de gasolina, depósitos, favelas, sítios, fazendas…Se você gostar do local e decidir doar um animal para guarda, sugira a adoção de um casal castrado para que um faça companhia para o outro, evitando que o cão fique sozinho e deprimido.
Atenção: Atualmente tem pessoas adotando cães de grande porte para alugá-los para guarda. Muitas vezes estes animais são alimentados dia sim, dia não, e quando ficam doentes e velhos são descartados.
Dê preferência para famílias que tenham condições financeiras para arcar com gastos (rações, vacinas, produtos para parasitas), e que possam cuidar do animal com carinho.
Explique que o animal deve ser devolvido para você caso ele não se adapte, para que você possa escolher outra pessoa para adotá-lo. Se você não aceitá-lo, saiba que ele poderá ser repassado para qualquer pessoa, e você o perderá de vista.
*Atenção com doações para crianças ou jovens, conversar com os pais ou responsáveis é fundamental.
*Atenção para doar animais para casais jovens sem filhos, é comum o abandono do bichinho após o nascimento de bebês. Converse sobre isto com eles.
*Atenção com doações para pessoas que moram em casa/ apartamento de aluguel, é freqüente o abandono dos bichos quando estas pessoas vão mudar. Converse sobre isto com os adotantes.
*Atenção com doações de cães e gatos adultos para sítios ou casas de veraneio. Eles poderão fugir e nem sempre os caseiros cuidam bem do animal. Animais adultos que vão para sítios vão instintivamente correr atrás de outros animais como galinhas, porcos, etc…,por causa deste comportamento muitos cães e gatos apanham, são mortos ou vivem aprisionados nestes lugares.Alguns fogem e ficam perdidos no mato ou morrem atropelados nas estradas. Os filhotes ainda podem crescer acostumados soltos com outros animais.
*Atenção!É comum que o animal estranhe o novo ambiente e tente fugir. Por segurança, se possível, doe o animal com uma coleira com plaquinha de identificação com o seu telefone celular e/ou do novo proprietário com código da cidade. Vários pet shops vendem plaquinhas.
O microship é outra forma de identificar o animal, porém no Brasil este método ainda é pouco conhecido.O ideal é identificar o animal com microship e plaquinha.
Os sites de doação/adoção são muito úteis para ajudá-lo a recolocar um animal, mas procure orientar-se com protetores e Ongs de proteção animal, que poderão ajudá-lo na divulgação do bichinho. Não tenha pressa, às vezes escolher uma pessoa adequada pode demorar dias, semanas e até meses.
CUIDADO COM AS DOAÇÕES FEITAS EM FEIRINHAS OU PETS: Faça a pessoa preencher o termo de posse responsável, pegue xerox do CPF, RG e comprovante de residência do candidato à adoção. Depois leve o animal pessoalmente na residência do adotante.
O importante é que o animal seja bem colocado, não seja abandonado futuramente, ou fuja por negligência dos adotantes.
Tenha em mente que o adotante deve ser responsável, ter condições financeiras, local adequado e tempo para cuidar do bicho.
Segundo algumas Ongs de proteção animal, os casos de maus tratos e morte de animais vêm crescendo. Todo cuidado é pouco.
A mídia tem noticiado com freqüência casos da animais arrastados por carros, espancados e mortos e também casos de pseudo protetores que adotam animais para os matarem.
Fique atento.Não doe sem checar as informações e sem ir na casa do adotante. Algumas pessoas são muito simpáticas e sedutoras, mas podem mentir dando nome, telefone e endereço falsos.
Pesquise sites de adoção/doação de animais na Internet.

Doar um animal

Se você encontrou um animal abandonado, não perca tempo procurando algum órgão público ou organização que venha buscá-lo ou onde ele possa ser levado. Esse serviço não existe em São Paulo. Pode ser que os Centros de Controle de Zoonoses de outras cidades recolham ou aceitem animais, mas por favor, se você quer ajudar o animal que encontrou, não o entregue aos CCZ’s, que em geral estão super-lotados, e resolvem esse problema matando os animais. E as ONG’s e Protetores Independentes que trabalham resgatando animais,  recolhem os animais que elas encontram, e os levam para hotéis e clínicas veterinárias (dependendo do estado do animal) e depois trabalham sua adoção. Em geral pedem ajuda, promovem bingos, bazares para pagar as clínicas e hotéis.

Se você se sensibilizou com um animal abandonado, não foi por acaso, pois é uma oportunidade de você fazer o Bem, de fazer por ele o que gostaria que fizessem por você em situação semelhante. Faça o contrário daquele que o abandonou, para equilibrar um pouco a dívida que os humanos têm com os animais. Não importa se ele “é seu” ou não, pois, na realidade ninguém é de ninguém, e devemos ajudar os seres que dependem de nós. Quando fazemos o bem, ele irradia. Temos certeza que quando você começar a agir, inspirará outras pessoas a ajudarem.

1)Veja se alguém pode abrigá-lo temporariamente em casa, como lar transitório.

2) Faça uma lista de tudo que você precisa: veterinário, castração, ração, vacina, hotelzinho, cobertor, potes, casinha… Mande um email para os colegas de trabalho, amigos, familiares com fotos do animal e um texto sensibilizante, pedindo que as pessoas colaborem nessa ação de amor e compaixão por ele, mas também pela humanidade, já que se o mundo está tão necessitado de atitudes positivas.

3) Em São Paulo, por lei, ele precisa estar castrado para ser encaminhado para adoção. Porém, em qualquer lugar ele deve ser castrado por amor e responsabilidade. Você pode castrá-lo de graça pela prefeitura. Em São Paulo ligue para 11 3397-8900 Veja aqui outros locais para castração gratuita  Também há veterinários que castram a preço reduzido.

 

Para saber mais sobre os benefícios da castração, assista (http://www.youtube.com/watch?v=xrI2KDBNNuw)

4) Depois de castrado, o próximo passo é fazer o cadastro dele em sites e feiras de adoção (http://www.olharanimal.net/eventos-de-adocao)

5)  Faça cartazes  com a foto dele dizendo que procura uma família. Cole-os na janela do carro, mercadinhos, pet shops, casas de ração, padarias, bancas, escola, correios…mas atenção, é muito importante que você faça uma minuciosa entrevista com o pretendente a adotá-lo. Se não sentir firmeza, não entregue o animal. O adotante aprovado deve assinar um Termo de Responsabilidade. (hyperlinkado)

6) Após a adoção, faça contatos freqüentes para saber se ele está bem adaptado, e de preferência visite seu novo lar para ver pessoalmente as condições em que vive. Se não houver adaptação, recolha o animal e tente novo adotante.

 

Doar o “seu” animal

Se o animal que você pretende encaminhar é o que mora com você, saiba que a mudança de local, bem como a perda de contato com as pessoas com as quais está acostumado e se afeiçoou causa grande sofrimento a ele, podendo provocar auto-mutilação ou até a morte por depressão.

Muitas vezes projetamos nossas frustrações nos animais e acabamos colocando neles a responsabilidade por alguns desarranjos em nossas vidas. Mas na realidade é o contrário, os animais nos deixam mais equilibrados,despertam o melhor em nós. Eles jamais nos abandonariam.

Se o motivo for comportamento, cheque os itens abaixo:

1)      Castração: além de evitar doenças e crias indesejadas, deixa o animal mais calmo, com menos necessidade de marcar o território com urina.

2)        Dor: muito animais ficam agressivos quando sentem dor, vá ao veterinário fazer um check-up, certifique-se que não está com dor.

3)      Passeio: os animais precisam passear todos os dias, mesmo aqueles que ficam em quintal grande. Além de se exercitar, eles se socializam. Animais que não passeiam com frequência ficam mais estressados, podem latir mais, demonstrar agressividade e até auto-mutilação.

4)      Consulte uma especialista em florais, altamente indicados em questões comportamentais dos animais. Duas pessoas fazem isto gratuitamente:

Deolinda Eleutério – Terapeuta Floral – Florais de Bach para animais (gotinhas para as emoções) florais38@gmail.comhttp://www.gatoverde.com.br/

Martha – http://www.floraisecia.com.br/consulta_animais.php (gratuito para abrigos para animais, ONGs e grupos de proteção animal. Consultas individuais a preço reduzido.)

5 ) Outra alternativa é buscar a ajuda de um educador comportamental.:veja indicações em (link)

Esses encaminhamentos certamente beneficiarão não só o animal, mas também sua consciência e seu coração.

Sobre abrigos

Abrigos não são locais bons para os animais. Animais são seres muito amorosos, necessitam de alguém para amar e que lhes dedique atenção.

A maioria dos abrigos são locais ruins para os animais, ainda que nascidos da boa intenção e compaixão das pessoas que os recolhem. Mas, por conta dos primeiros recolhimentos, outras pessoas se sentem no direito de abandonar animais nesses abrigos e isto se repete sucessivamente, criando uma situação de superpopulação que inviabiliza um atendimento eficiente. Apelos desesperados por ajuda, dinheiro, alimentos e remédios são diariamente enviados às listas da internet. O comum é que esses animais fiquem permanentemente confinados, sem poderem se movimentar adequadamente e sem o afeto de alguém. Muitas vezes, por falta de recursos, não recebem a alimentação e os cuidados veterinários essenciais.