Exemplos de testes

Exemplos do uso de animais em testes


Teste Draize

Criado na década de 40, o teste Draize tem como intuito medir possíveis danos causados por substâncias químicas em seres humanos através da observação de seus efeitos na pele e nos olhos de animais.

Existem dois tipos de testes Draize: irritação ocular e irritação cutânea. Ambos causam extremo desconforto e dores nos animais e são realizados sem nenhum tipo de anestesia. Quando os testes terminam, todos os animais são mortos e seus órgãos são analisados.

No teste Draize para irritação ocular, os produtos são aplicados diretamente nos olhos dos animais, causando séria queimação, irritação e dor. Muitas vezes são colocados clipes nas pálpebras para manter os olhos abertos durante o período de testes, que pode durar de uma a três semanas, de modo a evitar que os animais consigam remover a substância dos olhos ou diminuir seu desconforto. Os animais são colocados em equipamentos de contenção onde suas cabeças ficam paralisadas, impedindo que se movam durante a duração do teste. Além de causar dor intensa, os químicos aplicados normalmente deixam os olhos dos animais ulcerados e sangrando. Os coelhos são os animais mais usados para estes testes, pois são baratos, mansos e têm olhos grandes e sensíveis que quase não
produzem lágrimas e, portanto, não conseguem expelir as substâncias
aplicadas em seus olhos.

No teste Draize para irritação dérmica, as substâncias são aplicadas diretamente à pele, que é previamente raspada (raspa-se a pele do animal com fita adesiva, que é colocada diversas vezes e puxada, de modo a tirar várias camadas de pele, deixando-a sensível) e, depois de aplicada a substância, coberta com esparadrapo ou outro tipo de proteção, para que o animal não lamba a área afetada. Como no teste Draize para irritação ocular, essas substâncias causam dor intensa, queimaduras e irritação.

Teste DL-50

Criado na década de 20, o teste DL-50 é utilizado para medir os níveis de toxicidade de determinados ingredientes e produtos finalizados em animais vivos, sem nenhum tipo de anestesia.

DL-50 quer dizer a Dose Letal 50 %, ou seja, a concentração de uma substância necessária para matar metade do grupo de animais usados no teste dentro de um determinado período de tempo. A substância é administrada à força por via oral, através de inalação ou qualquer outra
via de administração.

Durante o período do teste, os animais têm intenso sofrimento – dores, convulsões, corrimento, diarréia, sangramento. Após o período de teste os animais que ainda não morreram são mortos e analisados. Normalmente, são utilizadas duas espécies de mamíferos (roedores e cães).

O teste DL-50 clássico já foi proibido em alguns países europeus, mas ainda é utilizado no resto do mundo.