No ensino

No ensino

O uso de animais no ensino

Na área do ensino, os animais são amplamente utilizados com propósitos educativos em toda a área biomédica e biológica (biologia, odontologia, medicina, enfermagem, psicologia, veterinária, etc.) em todos os níveis. Os objetivos da utilização de animais estão vinculados ao processo de aprendizagem de diversas formas: transmitir conhecimentos, demonstrar processos dinâmicos da vida, bem como a integração dos sistemas, ensinar métodos da pesquisa científica, treinar habilidades manuais e técnicas, entre outros.
Camundongo em experimento de imunologia
Cão em demonstração para fins didáticos

Hoje, já existem métodos substitutivos que dispensam o uso de animais para estas atividades, garantindo plena eficácia de aprendizado. Essa substituição é prevista por lei no Brasil, mas poucos estabelecimentos de ensino a cumprem, preferindo, ainda, consumir vidas de milhares de animais num processo que visa somente a passagem de conhecimento, não a obtenção dele. Por exemplo, abre-se um cão para observar seu trato respiratório, como seu coração responde a administração de certas substâncias, etc. Administra-se stricnina num roedor para observá-lo tendo convulsões. Retira-se o coração de um coelho – ainda batendo – para observar
os batimentos.

Nas melhores universidades européias e inglesas, o uso de animais já foi abolido, demonstrando respeito para com a vida dos animais e para com os estudantes, que, desse modo, valorizam mais a vida, como um todo.