Rituais Religiosos

“Nenhuma oferenda de sangue de besta, ou de pássaro, ou de homem, pode retirar o pecado, porque como pode a consciência ser purgada do pecado pelo derramamento de sangue inocente? Não, isto só aumentará o pecado”.
Ensinamento 33 – Evangelho dos Doze Santos

É triste saber que algumas pessoas utilizam animais em rituais religiosos acreditando que a morte de um animal lhe trará benefícios. O homem não tem o direito de deliberar sobre a vida de um animal. Afirmar que existe legalidade no sacrifício de animais, pois é uma tradição ancestral trazida da África, é um equívoco: primeiro, não é legal. Ao contrário, é ilegal, é crime – conforme a Constituição e outras leis federais – causar o sofrimento ou a morte de um animal sem provar que foi por ele acometido ou que ele é portador de doença grave. Em segundo lugar, os tempos mudam.

Era tradição colocar dois homens a lutar até que um morresse na arena, na época do Império Romano. Agora isso não só é ilegal, como imoral. Assim, acontece com determinados rituais. Mas hoje, teoricamente, o ser humano deveria ter evoluído, e o que servia para um povo bárbaro há 3 mil anos não deve, não pode, servir para a civilização atual.

Nenhuma religião pode ser utilizada como desculpa para atos retrógrados e cruéis. Não pode servir de escudo para o crime.

A Constituição garante a liberdade de culto, não de crueldade.

Fonte: adaptado do texto de Maria Luiza Nunes, São Leopoldo/RS – website http://www.suipa.org/